Você está lendo uma das 12 TENDÊNCIAS PARA 2012. Leia todas as 12 tendências aqui »


6. BOTTOM OF THE URBAN PYRAMID

“BASE DA PIRÂMIDE URBANA”
Em 2012, as oportunidades de atender a centenas de milhões de consumidores urbanos de baixa renda serão inéditas.

Uma tendência impulsionada pela extrema globalização em escala global que não vai arrefecer em 2012, espere mais consumidores pertencentes ao extrato BOTTOM OF THE URBAN PYRAMID (BOUP) do que nunca (as centenas de milhões de CITYSUMERS que não contam com salários de classe média para gastar) exigindo inovações criadas exclusivamente para suas circunstâncias, de questões ligadas à saúde a falta de espaço, passando pela necessidade de durabilidade. Ah, e adivinhe só: os consumidores BOUP também têm desejos materialistas e estéticos.

Alguns exemplos:


  • Desenvolvido pela NCR, o caixa eletrônico Pillar conta com tecnologias biométricas, fazendo com que seja adequado para o uso de populações analfabetas e semi-analfabetas. O equipamento apresenta um leitor de cartão que não exige contato, um leitor de impressões digitais biométricos, botões para a retirada expressa de dinheiro, compartimento para entrega de notas e impressora de recibo. Usuários do equipamento independente podem simplesmente colocar o polegar no sensor e apertar o botão com a cor correspondente à quantia de dinheiro que desejam retirar. No terceiro bimestre de 2011, a NCR começou a testar cinco protótipos de caixas eletrônicos Pillar no EUA, com a intenção de lançar o equipamento em mercados em desenvolvimento.

  • O Aakash é um computador tablet com sistema operacional Android e wifi, produzido em Hyderabad, na Índia, como aparelho de baixo custo, porém funcionalidade total. Espera-se que seja vendido a US$ 60 no varejo, e a cerca de US$ 35 (com subsídio do governo indiano) para estudantes.

  • A PepsiCo da Índia está fazendo teste de venda com dois produtos: Lehar Gluco Plus, uma bebida com eletrólitos e glicose, e Lehar Iron Chusti, um petisco fortificado com ferro. Ambos são direcionados a consumidores na base da pirâmide – em áreas urbanas (e rurais) (Fonte: Economic Times, Junho de 2011).