Junho/Julho 2011 | Todos os anos, mais ou menos nesta época, nós apresentamos um Trend Briefing um pouco mais leve do que o normal, concentrando-se quase que exclusivamente nas inovações infinitas e emocionantes que pipocam pelo mundo todo. Bem vindo a INNOVATION EXTRAVANGANZA (FESTA DA INOVAÇÃO) ;-)

INNOVATION EXTRAVAGANZA

Dúzias de inovações, e as (mini) tendências de consumo que as criam.

Inovar é a única maneira de sobreviver na arena dos negócios cada vez mais global e competitiva. Quando dizemos inovação, estamos falando de qualquer coisa que vá fazer os consumidores gastarem, e de preferência aquele tipo de gasto que inclua os seus produtos, serviços e experiências.

E como todo mundo, de Seth Godin ao Harvard Business Review, fornece a você insights excelentes e inspiradores, além de teorias sobre a inovação como modo de pensar, processo e modo de vida, nós gostaríamos de contribuir com a conversa dando exemplos de reais inovações de B2C (de empresas para os consumidores finais). Dúzias delas. Nós enxergamos a questão assim:

INNOVATION EXTRAVAGANZA | Nunca vão faltar empreitadas, marcas, bens e serviços espertos, que atendam os desejos e as necessidades dos consumidores de maneiras novas e surpreendentes. Aliás, como o mundo todo hoje se dedica à destruição criativa, a INNOVATION EXTRAVAGANZA está a nosso cargo. Então, sim, as dúzias de inovações que reunimos para este Trend Briefing são apenas a ponta do iceberg. Invente, aprimore, copie… ou morra na praia.

Qual é a conexão entre INNOVATION EXTRAVAGANZA e tendências de consumo? Por mais que nós nos concentremos em tendências de consumo emergentes e mudanças no comportamento dos consumidores, nós nunca nos cansamos de observar que tendências só servem para uma coisa: inspirar você a inovar, a criar novos bens, serviços e experiências para (ou, ainda melhor, com) os seus clientes. Para dicas a respeito de como transformar tendências e insights em inovações, releia a parte ‘Apply’ (Aplicação) da nossa seção Tips (Dicas)

Inovação: não só em laboratórios, nem sempre sérias, não necessariamente caras

Mais três reflexões sobre a inovação:

  • A inovação não tem necessariamente a ver com pessoas de avental branco trabalhando em laboratórios de pesquisa e desenvolvimento. Na nossa atual Economia de Experiência, inovações de mercado são igualmente importantes, e com frequência se sobrepõem às inovações técnicas.
  • Além do mais, como os desejos dos consumidores às vezes são fúteis, novos produtos e serviços também podem ser. De verdade, a inovação não precisa ser tão séria o tempo todo
  • Em terceiro lugar, fazer ou começar algo novo não precisa custar mundos e fundos. Muitas das inovações apresentadas neste briefing aproveitam a maleabilidade e a criatividade, não orçamentos enormes.

Certo, chega de pregação, vamos à prática: confira estas mais de 30 inovações divididas em (mini) tendências (EMBEDDED STORIES, BIDCONOMY, CASH-LESS, e mais). Aqui estão elas:

  1. HAPPINESS
  2. CASH-LESS
  3. EMBEDDED STORIES
  4. LIFE: SUBSCRIBED
  5. NOW-OR-NEVER COMMERCE
  6. EXTREME CHARITY
  7. POP-UP 4.0
  1. PROFESSIONALL
  2. REPYOUTATION
  3. CHOICE CUTS
  4. GIFTING GALORE
  5. REAL-WORLD LIKING
  6. BIDCONOMY
  7. HYPER-PERSONALIZATION

1. HAPPINESS

"FELICIDADE"

Os aplicativos móveis estão cada vez mais ligados à saúde física dos consumidores (está lembrado da nossa tendência WELLTHY?), mas não só isto: eles também se preocupam com seu bem-estar emocional. Dê uma olhada nestes aplicativos “de felicidade”:

  • Lançado em março de 2011, The Happy Apps (Os Aplicativos Felizes) têm a intenção de se sobrepor a acontecimentos causadores de estresse com seu conjunto de aplicativos para iPhone e iPad e melhoram o humor. Ao preço de US$ 1.99 por seis aplicativos, a cura espiritual está bem barata ;-)
  • O Moodagent analisa automaticamente e cria um perfil da coleção de músicas do usuário, e então cria playlists com suas faixas preferidas para se adequarem a seu humor, separando as músicas por sensualidade, ternura, alegria, agressividade e andamento.
  • O aplicativo Mood Boost Brain Massage (Massagem Cerebral para Melhorar o Humor) da Napuru pode ser usado 24 horas por dia e usa áudio calmante para ajudar a regular e relaxar a mente.

2. CASH-LESS

"SEM DINHEIRO VIVO"

A economia que não usa dinheiro vivo, prevista há muito tempo, vai se tornando realidade lentamente, tanto em mercados maduros quanto em desenvolvimento. Nas economias mais maduras, o desejo dos consumidores por conveniência, combinado aos avanços tecnológicos, continua a conduzir a inovações em transações sem dinheiro vivo. Dê uma olhada nestes exemplos – apenas alguns do número crescente que não para de crescer lá fora:

  • Em março de 2011, o Correio da Dinamarca lançou selos digitais que podem ser comprados por meio de mensagem de texto. Um código é enviado ao usuário, que o anota no envelope em vez de usar um selo tradicional.
  • Em janeiro de 2011 a Starbucks lançou seu programa de pagamento Mobile Card (Cartão Móvel) nos EUA. Os consumidores adquirem o aplicativo Starbucks Card Mobile, que então cria um código de barras 2-D personalizado, que pode ser escaneado no caixa.
  • Neste ano, o McDonald's pretende equipar 7 mil lojas na Europa com telas sensíveis ao toque e leitor de cartão nos pontos de venda, fazendo com que os caixas humanos sejam desnecessários e reduzindo o tempo das transações. A mesma maneira, o Burger King atualmente está testando o sistema de pagamento Visa payWave em vários de seus restaurantes.
  • A tempo dos Jogos Olímpicos de 2012 em Londres, a Samsung (em aliança com o Lloyds TSB e o Visa) vai começar a vender smartphones capazes de administrar pagamentos sem contato em mais de 60 mil locais espalhados pela cidade.

No entanto, os países em desenvolvimento, onde a penetração dos celulares é alta, mas a infra-estrutura bancária deixa a desejar, há muitas oportunidades de inovação CASH-LESS também (releia nosso Trend Briefing FUNCTIONALL). O M-PESA da Safaricom no Quênia e o GCASH da Globe Telecom nas Filipinas são pioneiros, é claro, mas dê uma olhada também nos seguintes exemplos:

  • Na Somalilândia, onde quase não existem caixas eletrônicos, a Telesom lançou serviços bancários por telefone móvel com seu ZAAD Service em 2009. Em outubro de 2010, adicionou tecnologia que também permite aos clientes enviarem e receberem remessas de dinheiro pelo tefefone.
  • E quando ficar CASH-LESS não for uma opção, continuamos a ver maneiras inovadoras de colocar as boas e velhas notas e moedas na mão do consumidor: em março de 2011, o First National Bank, da África do Sul, apresentou um novo serviço que permite aos clientes fazer retiradas em caixas automáticos com o uso do telefone celular. O banco envia uma mensagem de texto com uma senha temporária, a ser usada em um caixa eletrônico no prazo de 30 minutos.

3. EMBEDDED STORIES

"HISTÓRIAS EMBUTIDAS"

A ideia por trás de usar histórias para aumentar o apego emocional a um produto não é novidade nenhuma. De fato, muitos consumidores cada vez mais adotam histórias de produtos individuais (STILL) MADE HERE [(AINDA) FEITOS AQUI], assim como mensagens tradicionais das marcas, para contar suas STATUS STORIES (HISTÓRIAS DE STATUS).

Mas, cada vez mais, a tecnologia permite aos consumidores acessar histórias adicionais ainda mais ricas e mais detalhadas ao unir o mundo online e o offline:

  • O RememberMe (Lembre-se de Mim) é um projeto de colaboração entre o TOTeM (Tales of Things and Electronic Memory – Contos sobre Coisas e Memória Eletrônica) e o Oxfam, que coloca uma história pessoal em itens doados ao permitir que as pessoas anexem histórias com o uso de etiquetas RFID (que transmitem informações por ondas de rádio).
  • Em março de 2011, a ReMakes, dos EUA, estreou sua linha de jogos americanos únicos e ecológicos, feitos de outdoors e pôsteres de filmes recolhidos. Cada conjunto tem um código QR que, quando escaneado com um smartphone, abre uma página de internet com informações sobre a ReMakes.
  • Fundada em março de 2011, a empresa de roupas e estilo de vida N-spired Story, da Espanha, convida as pessoas a enviar fotos, vídeos, notícias ou textos; a cada mês, um artigo é impresso como imagem em uma camiseta de edição limitada. Os usuários podem apontar o telefone para a estampa da camiseta e acessar conteúdo online.
  • O projeto IOU é uma linha de roupas feitas com base em tecidos confeccionados a mão na Índia que usa códigos QR para permitir aos consumidores retraçar cada item comprado até a pessoa que o teceu.

4. LIFE: SUBSCRIBED

"VIDA: ASSINADA"

Na medida em que a vida dos consumidores continua a ficar cada vez mais agitada (algo que nem era preciso dizer), oportunidades enormes existem em exercer curadoria sobre elas e então vender por meio de inscrição. Confira:

  • A Jangeus Design, do Reino Unido, oferece assinaturas anuais para um dos produtos menos glamorosos e mais úteis; panos de prato ecológicos.
  • A Hoseanna entrega uma meia-calça nova (que não desfia) à porta das consumidoras a cada mês, nos EUA.
  • A Men are Useless (Os Homens São Inúteis) entrega produtos de cuidados pessoais essenciais a consumidores todos os meses no Reino Unido; já a nova GlossyBox (Caixinha Brilhante) permite às mulheres que gostam de cuidar da beleza que experimentem amostras em miniatura de produtos de luxo.
  • Nos EUA, a Tota Press oferece uma assinatura de cartões feitos a mão.
  • Para os entusiastas da arte, a Canadian Papirmasse entrega uma assinatura mensal de gravura de arte; já a Alula, dos EUA, oferece uma assinatura a quatro peças têxteis de edição limitada a cada ano.
  • Lançada em janeiro de 2011, a Not Another Bill (Não é Mais uma Conta) envia aos clientes um presente surpresa mensal.

5. NOW-OR-NEVER COMMERCE

"COMÉRCIO AGORA OU NUNCA"

Os consumidores adoram ter uma noção de emoção e exclusividade [consulte PLANNED SPONTANEITY (ESPONTANEIDADE PLANEJADA)]. E o advento de ofertas-relâmpago de sites de compras coletivas como Groupon e LivingSocial, assim como o sucesso contínuo das lojas pop-up, serve para lembrar que os consumidores ainda adoram compras rápidas e espontâneas também, principalmente quando podem conseguir uma oferta:

  • Lançada pela loja sueca Papercut, a Speedsale oferece descontos em diversos livros, DVDs e coisas do tipo, mas apenas durante quatro segundos. Depois de ver o item durante quatro segundos online, a oferta acaba. Para sempre.
  • A gigante da moda Burberry lançou o Burberry Retail Theater (Teatro do Varejo Burberry) para mostrar sua coleção Primavera /Verão 2011, um evento que convidou consumidores de 15 países para irem a suas lojas e comprarem modelos direto da passarela.
  • De acordo com uma linha parecida, a Moda Operandi permite a seus membros que comprem roupas 48 horas depois do desfile de um estilista. Os membros recebem suas compras no prazo de quatro meses, que significa dois meses antes de estarem à disposição em qualquer loja do mercado. Para aumentar ainda mais a exclusividade, novos membros só são aceitos por meio de convite.
  • O Groupon acaba de lançar um programa-piloto chamado Groupon Now (Groupon Agora) em Chicago. Esta nova iniciativa permite aos consumidores visualizarem ofertas em tempo real, feitas por empresas próximas. Cada oferta só dura algumas horas, de modo que os consumidores precisam comprar rápido para se beneficiar.

6. EXTREME CHARITY

"CARIDADE RADICAL"

Nós apresentamos mais inovações de caridade/generosidade que você é capaz de absorver: de RANDOM ACTS OF KINDESS (ATOS ALEATÓRIOS DE BONDADE) a EMERGING GENEROSITY (GENEROSIDADE EMERGENTE), porque, sim, esta é uma tendência que nunca para de render ;-)

Mas eis aqui mais um exemplo, que só se destacou porque certamente leva a “caridade unida a ATTENTION ECONOMY (ECONOMIA DE ATENÇÃO) ” a um nível mais alto ;-)

  • A DONA, da Coreia do Sul, é um arrecadador de recursos robotizado de rua que se parece com uma criança e está programado para reagir com gestos de apreciação sempre que alguém coloca dinheiro em seu potinho de coleta.

7. POP-UP 4.0

Desde que nós cunhamos a frase POP-UP STORES (LOJAS POP-UP) em 2004 (sim, nós pedimos desculpas!), o conceito transiente se tornou item permanente em muitas estratégias de marketing e branding. Um fenômeno tão efêmero como este requer inovação constante. Então, as pop-ups que vemos hoje são maiores, melhores e mais radicais do que nunca:

  • Em maio de 2011, a Tommy Hilfiger estreou a Prep World Pop-Up, uma estrutura temporária feita para parecer uma casa de praia autêntica da Costa Leste. A casa vai viajar por diversas cidades pelo mundo todo, com eventos com o tema Prep World para clientes ligados em estilo.
  • Como parte de sua campanha Give It Back (Devolva), a loja pop-up da Coca Cola em Tel Aviv (Abril de 2011) vendeu produtos reciclados e reaproveitados feitos com garrafas e latas de Coca.
  • Para aliviar a lotação no terminal principal durante o período movimentado do inverno, o aeroporto de Genebra ergueu um terminal pop-up. A tenda branca e totalmente à prova d’água foi erguida na frente do aeroporto e tinha espaço específico para check-in.
  • Em março de 2011, a fabricante de eletrodomésticos sueca Electrolux colaborou com os arquitetos italianos da Park Associati para criar The Cube: um restaurante portátil de alumínio com um terraço grande o bastante para acomodar 18 pessoas. Ele já foi montado em diversas cidades europeias, sendo que cada locação é escolhida para oferecer aos frequentadores vista panorâmica única da paisagem ao redor.
  • A Kilo Fashion é uma loja pop-up nova em Milão que vende roupas e acessórios de marca por quilo. Criada pela marca de moda Lilla, a Kilo Fashion abriu no fim de março e vai fechar em julho de 2011.
  • Programada para abrir na área de Shoreditch, em Londres, no mês de agosto, o Boxpark é um shopping center pop-up que vai abrigar mais de 50 lojas pequenas em uma estrutura de dois andares construída na Bishopsgate Goods Yard, um ex-terreno de ferrovia que não é usado há mais de  40 anos. O Boxpark vai se concentrar em marcas pequenas e independentes, selecionadas a dedo e cujo espaço só é oferecido por meio de convite

8. PROFESSIONALL

Os consumidores cheios de expectativas de hoje simplesmente não vão se contentar com nada que seja medíocre ou feito em casa [a não ser que seja (STILL) MADE HERE [(AINDA) FEITO AQUI], é claro. Produtos e ferramentas com preços bons e acessíveis cada vez mais permitem que pessoas normais criem conteúdo e produtos com qualidade profissional. Algumas coisas que identificamos recentemente:

  • A WilliamsWarn, da Nova Zelândia, produziu a primeira cervejaria pessoal do mundo em 2011. Fácil de operar, até usuários novatos são capazes de criar suas cervejas preferidas enquanto a máquina dá conta de alguns dos processos de produção mais fundamentais automaticamente.
  • A Collabracam permite aos usuários fazer gravações em vídeo como profissionais. Ao conectar até quatro iPhones, iPod Touches ou iPads, o diretor é capaz de enxergar as imagens captadas por cada câmera, preparar cenas e variar entre as imagens dos aparelhos a qualquer momento.
  • A TechShop, da Califórnia, oferece uma cadeia de oficinas cheias de equipamentos, em que os membros podem transformar seus projetos (caros) de sonho em realidade.
2012 Premium Service

9. REPYOUTATION

Como muitos consumidores passam cada vez mais partes extensas de suas vidas online, nós já examinamos com a identidade online de alguém é algo a ser construído, aproveitado (PROFILE MYNING) e até divulgado [ONLINE STATUS SYMBOLS (SÍMBOLOS DE STATUS ONLINE)]. Não é para menos, portanto, que também haja demanda crescente por produtos que removam, protejam ou restaurem a reputação online (e portanto offline) de alguém*.

* E, sim, há uma demanda enorme por outros serviços relacionados à privacidade também, mas vamos guardar isto para um outro Trend Briefing futuro, dedicado ao assunto.

  • A reputation.com e a Reputation Armor (Armadura de Reputação), dos EUA, são empresas de consultoria de gerenciamento de reputação que ajudam os consumidores a cuidar de seus dados e defender sua reputação ao bloquear informações enganosas ou incorretas, e aumentando o conteúdo positivo.
  • Metal Rabbit Media “causa bochicho, aumenta a demanda e protege reputações” para uma clientela mais endinheirada.
  • O Socioclean e o Reppler são serviços gratuitos que permitem aos usuários monitorar e limpar seus perfis sociais online de qualquer material duvidoso ou inapropriado.

10. CHOICE CUTS

"ELIMINAÇÃO DE ESCOLHAS"

A quantidade de informação que existe por aí, e o desejo que os consumidores têm de devorar as melhores partes, continua incansável (consulte INFOLUST). Assim, qualquer coisa que ajude a apresentar, editar, mostrar, despir, filtrar, reunir e fazer uma curadoria nos fluxos de dados (comerciais) e transformá-los em algo que seja facilmente digerível e relevante vai se dar bem para sempre. Confira estes exemplos de curadoria radical:

  • Hotel Haiku é um site de viagens que lista hotéis pelo mundo todo de maneira ultra-simples. Informações a respeito de um hotel compreendem uma única imagem, uma descrição curta e um link. E nada mais.
  • O Just Buy This One (Simplesmente Compre Este), do Reino Unido, é um serviço que reune as avaliações acumuladas das resenhas de produtos e oferece uma única recomendação. Funciona em nove categorias, de câmeras a bules.
  • Concentrando-se em música e moda, o 1band1brand destaca uma banda musical emergente e uma marca de moda inovadora a cada semana, junto com ofertas especiais para os assinantes.
  • Com o objetivo de criar público mais amplo para artistas que não recebem o reconhecimento merecido de países em desenvolvimento, o Art Sumo é um site novíssimo e apenas para membros inscritos que destaca uma pintura desconhecida selecionada por dia, em preço com enorme desconto.

11. GIFTING GALORE

"FESTIVAL DE PRESENTES"

Para as marcas, colocar um toque humano é algo que já funcionou, funciona e vai funcionar para aumentar as vendas, o envolvimento do consumidor e sua lealdade. Apenas uma das subtendências de GENERATION G (GERAÇÃO G), ‘GIFTING GALORE’ abrange os meios criativos por meio dos quais as marcas ajudam a promover o ato de dar presentes entre os consumidores.

  • A PepsiCo acaba de apresentar uma  “Social Vending Machine” (Máquina de Refrigerantes Social); ela dá aos consumidores a opção de dar uma bebida de presente a um amigo, que pode ser retirada em máquinas participantes com um código de mensagem de texto.
  • A empresa alemã frinXX permite a seus usuários comprar bebidas para os amigos em qualquer bar, sem estar presente. Quando a transação é aceita, um código é gerado e enviado ao celular do presenteado com uma mensagem personalizada.
  • O Giftee, do Japão, é um serviço online que permite aos usuários enviarem pequenos presentes de “agradecimento” por meio do Twitter para outras pessoas ou para organizações beneficentes.

12. REAL-WORLD LIKING

"CURTIR NO MUNDO REAL"

O desejo que os consumidores têm de divulgar a vida nas mídias sociais é verdadeiramente incansável (confira SOCIAL-LITES), e aplicativos como Foursquare e Gowalla, ou o botão Curtir do Facebook, fazem com que seja mais fácil para as pessoas dizerem a seus amigos onde estão, o que estão fazendo e as coisas de que gostam. Mas que tal fazer com que seja superfácil unir a experiência offline do mundo físico com a online? Dê uma olhada em alguns destes exemplos:

  • Em abril de 2011 na Feira do Automóvel AutoRAI, em Amsterdã, a montadora Renault entregou cartões equipados com dispositivo emissor de ondas de rádio capazes de se conectar a contas do Facebook. Os usuários podiam “curtir” fisicamente um carro ao passar o cartão no leitor correspondente ao modelo e o “curtir” iria aparecer em seu perfil do Facebook.
  • Em agosto do ano passado, a Coca-Cola convidou adolescentes israelenses selecionados para visitar o Coca-Cola Village – um programa de verão com atividades (assista ao vídeo do YouTube aqui). Ao entrar, eles recebiam pulseiras especiais equipadas com dispositivo emissor de ondas de rádio que podiam atualizar ao fazer paradas em atrações (de natação a massagem) e a informação entraria em seu status online do Facebook. As pulseiras também permitiam identificar automaticamente no Facebook as fotos tiradas.
  • No festival de música PIAS Nites, em Bruxelas, em março de 2011, os frequentadores recebiam um cartão ligado a sua conta de Facebook. Eles podiam se conectar no Facebook a novos amigos que conhecessem em pessoa ao passar seus cartões juntos em um leitor, ou tirando fotos em uma cabine especial que atualizava automaticamente o perfil no Facebook.

13. BIDCONOMY

Cada vez mais aparecem sites baseados em intenções em que a relação tradicional entre comprador/vendedor é virada de cabeça para baixo e os vendedores vão atrás das ofertas dos consumidores. Dê uma olhada nestas iniciativas recentes de “BIDCONOMY”:

  • A Zipzoom, do Canadá, permite que os compradores anunciem o que estão procurando, dando aos vendedores uma chance de oferecer a oportunidade de servi-los. Cotações personalizadas são enviadas diretamente ao consumidor, permitindo que a pessoa escolha a melhor.
  • Lançado em beta em março de 2011, o HolidayCrowd convida os viajantes a listar uma viagem que gostariam de fazer, especificando detalhes como por exemplo destino e orçamento. Agentes de viagens participantes então avaliam o pedido e montam um itinerário; o resultado é uma lista de ofertas concorrentes para o viajante.
  • O Zaarly, um site novo lançado ao público em maio de 2011, chamou a atenção de Ashton Kutcher ao virar o modelo do Craigslist de cabeça para baixo. Usando a ferramenta, os usuários postam sua localização, o que estão procurando, quanto querem pagar e para quando precisam do item. O pedido é compartilhado com indivíduos, fornecedores ou empresas locais e o serviço então conecta o usuário com fornecedores interessados por meio de ligações telefônicas anônimas para conversar sobre a logística e completar a transação.

14. HYPER-PERSONALIZATION

"HIPER-PERSONALIZAÇÃO"


Será que uma marca pode, em algum momento, chegar ao máximo da customização, se não da personalização, de seus produtos e serviços? Esqueça coisas como permitir que o consumidor apenas escolha a cor ou a estampa, a hiperpersonalização vai ser o nome do jogo durante muitos anos no futuro. Aprenda com:

  • A empresa francesa de produtos para a pele Codage permite que os consumidores escolham os ingredientes e a concentração de vários de seus produtos. Os consumidores seguem um processo de diagnóstico passo a passo online para avaliar suas necessidades pessoais e a Codage então faz recomendações em relação a suplementos nutricionais e também em fórmulas para o rosto e os olhos.
  • A Kunst Buzz, da Holanda, cria uma imagem do usuário com seus tweets. Os pôsteres impressos em tela vêm em três tamanhos e custam de 125 EUR a 225 EUR.

Oportunidades

A destruição criativa de Schumpeter realmente está sobre nós!

Para martelar na sua cabeça mais uma vez: além de se assegurar de que você mantém a a sintonia fina com o que é básico, também, precisa apresentar inovações contínuas ao antever tendências de consumo emergentes. Este Trend Briefing tentou fornecer exemplos de marcas que já praticam aquilo que os gurus pregam.

A parte que assusta, mas que também é motivo de comemoração? Onde quer que você viva, seja lá o que você faça, não tem absolutamente desculpa nenhuma para se manter alheio às inovações surgidas na Austrália, na Holanda, nos EUA, na Argentina, na Turquia, em Cingapura, na África do Sul... Está tudo aí, em relatos disponíveis 24 horas por dia, sete dias por semana por fontes que se dedicam a tendências e novas ideias de negócios.

Então, engate a marcha e boa sorte! E uma vez que você entre nesta “festa”, assegure-se de nos contar sobre os seus novos produtos e serviços inovadores.